Há muitas formas de encararmos o Dia Mundial do Meio Ambiente. Poderá haver sim aqueles que condenem muitas das práticas ambientais em virtude dos grandes ônus que estas podem ocasionar ao desenvolvimento econômico, principalmente no cenário de crise econômica no qual atravessamos aqui no Brasil.

Entretanto, elenco aqui 3 boas razões para se entender que a sustentabilidade não é apenas exigir, mas também casar, conciliar, o que é ambientalmente correto em relação ao que pode ser economicamente aceito:

1- Política Nacional de Resíduos sólidos e o mercado de resíduos sólidos:

Embora em transição lenta, nosso país está deixando os lixões a céu aberto de lado, passando a dar os devidos destinos aos resíduos de maneira geral. Determinados setores já estão organizados com a chamada logística reversa (a reversão dos materiais colocados em circulação no mercado e já utilizados pelo consumidor para a indústria), por meio de empresas, associações, que fazem este trabalho especificamente.

Ou seja, foi criado um novo nicho de mercado, que movimenta ativamente a economia, causando benefícios a todos de maneira geral, reutilizando e reciclando o que antes era deixado às margens da decomposição natural.

2-Auxílio na redução de problemas sociais:

Sim. A legislação ambiental tem auxiliado na redução de problemas sociais, como a renda dos catadores, por exemplo, agora reunidos em associações, bem como em relação à medidas de prevenção de maneira a evitar deslizamentos de casas à margem de rios, lagos, etc. O aumento da fiscalização ambiental, principalmente no tocante às áreas de preservação permanente tem auxiliado a evitar muitas das catástrofes que sempre ocorreram em momentos de chuva intensa, em áreas de população menos privilegiada em conhecimento e renda. A própria função dos agentes fiscalizadores tem impacto social e também econômico também, através das novas vagas públicas criadas para este fim.

3-Mercado de Energia Alternativa

Embora ainda timidamente, por conta da falta de incentivos governamentais, principalmente tributários para o setor, nosso país apresenta grande potencial para a energia solar e eólica.

Em recentes reportagens, podemos verificar países que ultrapassaram a autossuficiência, baseado na energia alternativa, principalmente solar, aplicada na residência de cada um. É a geração de energia elétrica, sem impactos ambientais, com grandes e relevantes impactos econômicos para população.

Quando vamos chegar lá? Depende do quanto esta ideia é capaz de engajar você! Compartilhe o conteúdo, e troque ideias conosco!

Anúncios